Yes – The Yes Album

Uma trilogia imbatível dentro do rock progressivo, na minha opinião (ISSO É MUITO POLÊMICOOOO), é a do Yes com a sua formação original (antes da saida do baterista Bill Brufford). Os discos são: The Yes Album, Fragile e The Close To The Edge. Eles são completamentes progressivos e muito ‘trabalhados’. Os integrantes do Yes são incríveis, misturam rock, blues, jazz e clássico com extrema facilidade. As linhas da bateria são inacreditáveis fusões entre Jazz e Rock. O virtuosismo do guitarrista Steve Howe é outra caracteristica a ser destacada no Yes. Bom, esse disco em específico, é praticamente o início do Yes no progressivo. Assim, não estão tão presentes as caracteríscas que eu citei acima, mas com certeza elas são aparentes. Indico esse disco por ser o primeiro dos meus 3 discos favoritos do Yes, e claro por ele ser muito bom. Para quem não conhece nada a respeitos de artistas progressivos, esse é um ótimo começo. Pois existe muito ‘R n’ B’ e ‘Rock n’ Roll’.

Sobre as faixas, a primeira música, Your is no disgrace, estréia muito bem o álbum, depois segue a música Clap, que é instrumental (fantástica), tocada apenas em um violão Folk. Segue depois a Starship Trooper, ponto alto do cd junto com I’ve seen good people. E Percentual Change, a última música do cd é excelente, uma melodia incrível, atinge seus 9 min., mas isso é imperceptível.

É, não existe nenhuma música ruim nesse disco, são todas muito boas!

Recomendo muito o disco!

Abraços

5 Respostas to “Yes – The Yes Album”

  1. Tiago Says:

    Realmente um dos 3 melhores álbuns progressivos já lançados, acho q na verdade só perde para “Selling England…” do Genesis, mas isso é só minha opinião!!! Ótimo post.

  2. Bruno Carneiro Says:

    Vei… o ‘Selling England By The Pounds” é mto doidoooo!! Ele é muito pau a pau com esses três do Yes. Concordo plenamente com vc!

  3. Valiatti Says:

    Esses três discos não foram gravados com a formação original do Yes, que incluía: Jon Anderson, Chris Squire, Bill Bruford além do tecladista Tony Kaye e o guitarrista Peter Banks. Gravaram dois discos “Yes” e ” Time And A Word”. Após este último, Banks saiu e Steve Howe entrou em seu lugar. Gravaram, então, o “Yes Album”. Em 71, após apresentações no Crystal Palace, Tony Kaye saiu e foi substituido por Rick Wakeman. Essa formação (Anderson-Squire-Howe-Wakeman-Bruford) aparece em “Fragile” e no extraordinário “Close To The Edge”.

  4. mumuboemio Says:

    Obrigado pela correção Valiatti. Mas, na verdade, o que quis dizer é a formação em que o Yes estourou na mídia como uma banda progressiva. Antes da entrada de Howe e Wakeman, Yes não parecia uma banda progressiva, esse caminho começou a existir com a entrada desses dois excelentes músicos. Está errado mesmo, dizer a formção original, mas com certeza é a primeira formação do Yes, em que a banda está totalmente voltada para o rock progressivo.
    Quando disse formação original, em ainda esclarecendo com o parêntesis (antes da saída de Brufford), foi a formação que gravou o Yes Album, Fragile e Close to the edge. Ou seja, A-B-W-H.
    Flw


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: