Pedrin sobre Cartoon

Martelo, de 1999, é o primeiro trabalho gravado da virtuosa banda mineira. Um trabalho brilhante com arranjos criativos, mesclando Progressivo setentista com pitadas de música brasileira, o que é bem perceptível em algumas músicas. As  letras irônicas e muito bem-humoradas, soam como se fossem uma espécie de versão atual do MUTANTES, na sua fase clássica. Algumas pérolas nonsenses que enriquecem a referida obra e lembram o saudoso grupo de Rita, Arnaldo & Cia.

 

Mas o que realmente impressiona no disco, é a infindável criatividade dos compositores, que apesar da gravação que deixa muito a desejar, fazem por onde honrar as legítimas bandas de Progressivo brasileiras dos anos setenta. O cd é impressionantemente envolvente e mesmo após ser ouvido por repetidas vezes não se mostra chato ou tedioso.

No tocante ao segundo disco da banda mineira, o Bigorna, referimo-nos à primeira ópera-rock brasileira de que se tem notícia. Segundo a própria banda o cd nos remete à  “real história do Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda”. Só por esta declaração já fica implícita a presença de certa dose de paródia no enredo (veja nos ótimos quadrinhos que acompanham o CD e na música o episódio do “churrasqueiro”), mas o conteúdo instrumental do disco é coisa séria.  Todas as letras estão em inglês e o vocal está acima da média. Musicalmente, o disco é recheado de timbres setentistas de órgão, grooves, guitarras choradas, baterias quebradas, flautas e gaita. Fica clara a influencia do Yes de início de carreira, com a dobradinha guitarra-órgão (esse comentário é pro Cidão), nos artistas de Ouro Branco. O Folk também se faz presente neste belo trabalho, com os instrumentos acústicos. Minas Gerais continua a surpreender e o Cartoon, é um dos expoentes mineiros do rock progressivo brasileiro. Embora todas as qualidades enumeradas a cima, em minha humilde opinião, Bigorna é o pior dos três Cds da banda.

Já o terceiro álbum foi cuidadosamente preparado durante os últimos anos e findou a trilogia, cujos títulos dos álbuns fazem referência ao órgão auditivo humano, propositalmente. “Foi um processo ao mesmo tempo árduo e prazeroso, onde cada música não era considerada pronta até que todos estivessem realmente satisfeitos” – revela Khadhu exclusivamente ao blog mumuboemio – ”um processo que nos obrigou a rever arranjos, sons e músicas de forma às vezes exaustiva, nos levou a um grande amadurecimento, tanto no lado pessoal como no lado musical e tornou bem reais, pra nós, alguns conflitos que são descritos de forma alegórica no disco”. Eita minino bão sô!

O mais recente trabalho cartooniano tange as emoções e conflitos de um jovem músico, que como Beethoven, fica surdo devido a uma deficiência num sensível ossículo do aparelho auditivo humano, o Estribo. O desespero e o auto-isolamento, conseqüências da inoportuna surdez que lhe assola, o levam a refletir sobre questões axiológicas referentes à sua vida. Esse intenso processo de reflexão desencadeia uma busca do autor pela resolução de seus problemas e culmina num final grandioso e surpreendente. Se o disco for ouvido em sua seqüência é possível captar toda a mensagem e se chegar a uma conclusão. Quanto ao instrumental do disco, não há o que se comentar. Trata-se realmente de uma obra prima. Arranjos inimagináveis e surpreendentemente colocados nas musicas. Nada é esperado ou previsível. Os vocais como sempre impecáveis, guitarra e baixo mais do que complexos sem contar a presença enriquecedora de instrumentos pouco convencionais como a lira indiana (esse nome eu inventei… ahuahu). Outro “plus” se deve ao fato de participar pela primeira vez do processo de composição o guitarrista Khyko, musico acima da média.

No mais, recomendo, a todos, que ouçam com muita atenção toda a trilogia.

Abração do Pedrão (Freitas).

7 Respostas to “Pedrin sobre Cartoon”

  1. mumuboemio Says:

    Aee…pedrin..demoro mas foi!!! Depois de tantas promessas, esse artigo fico mto legal…concordo com td…e obrigado pela menção do meu nome no seu artigo! Abração meu amigo!

  2. Preto Says:

    cidão seu idoso… seu comentário, apesar de muito aprazível, expressa com precisão a idade avançada que o caracteriza, ahuahuauha. Mas eu gradei. Ou, me coloca como membro oficial do blog para que eu possa postar sempre que for de minha vontade. rola?
    abração do pedrão

  3. fe lora Says:

    ah adoro cartoon.. mas uma coisa… o khadhu falou exclusivamente c vc mesmo pedro?? fiquei meio duvidando da sua palavra qdo eu li… mas ta otimo!!

  4. Preto Says:

    flo mesmo.. eu mandei um email pra ele perguntando sobre o processo de criação… banda não muito famosa sempre responde

  5. mumuboemio Says:

    Acho q rola pedrin….mas temos que perguntar para o Edgard Guedes, o outro editor.
    Dexa ele responder aki…se ele concordar, eu te dou permissão

  6. PG Says:

    nunca vi e nunca ouvi falar…. mais achei muito legal o Preto dar uma “palinha” aqui no mumu…. você com sempre foi inoxidável!!!!!!!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: